.

.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

Observação...

Pré-ocuparmo-nos

é não oportunizar o momento certo para nos ocuparmos,

'ou não',

no solucionamento devido e,

indubitavelmente, adequado.



Jorge Pi
A Amizade pressupõe uma entrega para o outro,

numa correspondência recíproca...

Doando o nosso Eu, somos presenteados com o Eu do outro...

Mas, na entrega, há um ganho duplo:

nosso Eu nunca 'sai' de nós, de verdade,

não é mesmo, meus queridos Amigos!


Jorge Pi

Querer ser Mais...

Querer ser mais... Bem mais! E me deparar com tantos limites...

Parar de desejar... E me contentar, apesar das barreiras!

E, em meio à conformação e ao contentamento,

mergulhar nas águas profundas de minha alma

e me banhar de renovada esperança... Que a vida é como um rastro de algo indefinidamente perdido em tantas demoras de recordações achadas a esmo, de tanto querermos ser mais que bem mais!...


Jorge Pi

Em ti...

Onde, você que espero?!

Quando, que eu desconheço?!

Como, tão doce mistério?!

Vinde!!! Espero-te pleno...

Reconheço-me em ti!!!


Jorge Pi

Apressadamente...

No caminho,

paisagens passando,

apressadamente...

Caminho, parado...

Paisagens, que andam!



Jorge Pi

Eu sei...

'Oi!' pode ser 'oi!' ou pode ser 'dor'...

Mas, sempre é 'oi!'!

Quer dizer: besteira... Eu sei!

Razão...

Buda está certo...

Desejar é perder!

Contentar-se é re-encontrar...



Jorge Pi

Desejo...

Que

eu

sempre

seja

meu

bom

companheiro!



Jorge Pi

Dispensabilidade...

A dispensabilidade é o que mais nos aflige...

Por isto termos tanto medo da morte!

Mesmo o suicídio denuncia a sua conexão direta

com o horror de sermos o que somos:

totalmente dispensáveis!

A prática diária da Meditação deveria ser uma rotina, em nossas vidas,

como a alimentação e o asseio corporal...

Fechar os olhos e, numa entrega plena à Consciência Divina,

VER o Conjunto das Coisas

e COMPREENDER o Verdadeiro Sentido de Tudo.

E, então:

AGRADECER!!!



Jorge Pi

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

Pó Mágico...

O Tempo tem pó mágico de Pirlimpimpim...

Mas, Pirlimpimpim é um dos apelidos da Alma Humana...


Jorge Pi

Ide!

Dores do mundo,

ide aos campos mais vastos de uma onírica colina...

Dissipem-se em flores de odores fugazes,

numa reminiscência estanque,

em perene transitoriedade...



Jorge Pi

Bem mais...

Querer ser mais... Bem mais!

E me deparar com tantos limites...

Parar de desejar...

E me contentar, apesar das barreiras!

E, em meio à conformação e ao contentamento,

mergulhar nas águas profundas de minha alma e me banhar de renovada esperança...

Que a vida é como um rastro de algo indefinidamente perdido

em tantas demoras de recordações achadas a esmo,

de tanto querermos ser mais que bem mais!...


Jorge Pi

Sair pra Caminhar...

Saí para caminhar...
Mas não sou adepto dos templos erigidos para fins de culto ao Deus Corpo. Academia, para mim, diz respeito à ginástica Mental, tendo em vista o florescimento do Ser Humano, conforme concebido por Platão, na Grécia Antiga.
Minha ginástica se resume a dar um passo atrás do outro e, assim, levando minha sombra material de mim mesmo, passo-a-passo, posso me dar ao deleite de celebrar a existência... Por tabela, a boa saúde agradece e me faz companhia na trajetória que vai daqui de minha casa até aqui de volta a ela.
No caminhar, inúmeros são os trajetos que percorro, subjetivamente... Traçada uma rota invariável, na invariabilidade me desloco, numa variabilidade invariável!
Meu pensamento se projeta e já não são somente minhas pernas que me levam... Leve, entrego-me à mente para um passeio atemporal.
As pessoas que passam são idéias que ficam. E, de idéia em idéia, ando em uma estrada interna, paralelamente...
Se caminho, trago, em mim, todos os caminhantes e seus caminhares como companheirinhos de uma trajetória infinda.
E desde que não me envolva, tal procissão me cativa... E eu não me apercebo; mas, quando vejo, retornei!... Chego em casa transformado em um outro sem, contudo, ter mudado. Foi somente um exercício em constante mutação. No entanto, na mudança, sempre busco não ser outro...
Afinal, sermos nós mesmos não é ser muito... É ser Tudo, não é mesmo?!

Jorge Pi

SInfonia...

Sinfonia!

Um grande SIM à 'fonia'...

Ao cultivo da harmoniosa sonoridade,

em uma Unidade de Propósitos que nos comove e nos enriquece...

Sim, Fonia,

Vinde aos meus ouvidos-mundo!


Jorge Pi

Sonhar...

Sonhar é viver oniricamente uma realidade paralela,

na qual nós somos o "outro" que, em nós, habita...

Desejos se confundem com a ternura de se ser sem mil máscaras!

O problema é que nós não nos conhecemos, de fato,

a não ser através das próprias máscaras;

então, em contato com a nossa extrema nudez psicológica,

deparamo-nos com uma invulgar caoticidade experiencial

que se traduz por um manancial de arquétipos, os mais variados...

Como se o Desconhecido nos desse um abraço e um beijo,

no intuito de se fazer notado,

a despeito do quão diminuta seja nossa objetiva consciência disto...


Jorge Pi


😉

Vida-Lida

Um primor!

Escritos d'Alma de minha 'maninha' Tereza Cristina (pra mim, só...Dindinha!...)

Ao longo da vida, na lida tão linda, brotaram impressões impressas, agora...

Poesia é a Alma desta vida lida...

Poemas discretos, repletos de Linda Vida!

Sou suspeito, mas, VIDA-LIDA Promete!Sucesso, minha irmã!



"No silêncio de minha voz tão falante, saem versos querendo ir ao mundo. Nem todos são possíveis no papel. Fazem-se Vida-Lida, como se poesias fossem". (Tereza Cristina Pinheiro Souza)


Face...oculta.

Minha cara face... oculta de mim mesmo a minha sombra!

Enche-me de Luz, por toda a Vida, com muito Amor!

Torna-me Agente Pleno do Criador!

Unge-me com o Óleo Santo dos que procuram se Encontrar!

Guia-me, por todo Sempre, na Senda Reta do Despertar!

Torna-me Eu Mesmo, sem medo algum de Me Expressar!


Jorge Pi

Pensando...

Estou pensando em como ressoam, às vezes,

em repercussões alheias às pretensões originárias,

os meros desdobramentos de espontâneas - apesar de um tanto incautas,

manifestações de afeto,

nascidas de um coração puro

incitado por uma mente imaginativamente sofisticada

e propensa ao que há de melhor, na vida!

Jorge Pi

Linda Redundância...

O amor verdadeiro está na verdade amorosa!

A amorosidade plena é atingida, nos domínios da verdade...

Mas, o que é a verdade?!

Ou, então: mas, o que é o amor?!

O Amor Verdadeiro é uma Linda Redundância!

Jorge Pi 

domingo, 14 de agosto de 2016

Não determinado...

Não-Ser amado...

Amo-te com todas as forças do meu Ser Alado!

Amo-te, apesar do tudo que comportas tanto quanto o nada que te representa...

Não ser, amado, faz de tua essência um relicário casto,

Cheio de um vazio amplo e envolventemente árido!

Quanto vem de ti, à minha triste sina?!

Quanto vai de mim pra tua saga estanque?!

Segue, não-Ser tanto: tonto!

Sigo-te, sendo tonto, tanto!

Dadivosamente, no entanto, eis que o ser não-Ser acolhe o Ser...

E, ao lado, o Ser Alado fica!

Contagiantemente, não determinado...


Jorge Pi

Re-buscar...

Re-buscar a firmeza sensível da infância perdida

em nossa criança interna

é rebuscar de sensibilidade firmemente encontrada

justamente naquilo que precipitadamente se presumia estar,

irrevogavelmente,

perdido

no fundo

do rarefeito e sacrossanto

silêncio monástico

do nosso abismal coração!...

Jorge Pi

Um Ponto...

Um Ponto pode ser

parágrafo ou final.

Em potencial,

um Ponto é uma vida que se

dá...

Mas é preciso querer receber e 

reciprocida(r)de!


Jorge Pi

terça-feira, 14 de junho de 2016

...E ele disse:

-Afeto é o bem maior da humanidade! E sua silhueta é rica, em afeto. Lembro-me de sua voz reproduzindo palavras que nem me lembro, mas que não me saem da memória afetiva... E elas me dizem algo que eu ainda não alcanço, mas que não me canso de rememorar... São frases de tons muito breves e, no entanto, paradoxalmente, enciclopédicas e um tanto atávicas, de tão propensas a uma certa serenidade hereditária... Que mistério é este, que me faz remontar ao mais lúdico tempo que me é possível lembrar?!
Perdoe-me, menina! Eu a vi e me encantei... Só! Não se assuste com minhas excentricidades... Um puro sentimento de afeição e de carinho por você me invadiu a alma e meu triste coração de poeta se exaltou um pouquinho e me incitou ao ridículo papel de um adolescente que já não mais existe em mim... Sinceridade é uma pedra preciosa que deve ser lapidada com as mais legitimas das intenções da busca do autoconhecimento e da procura pelo Amor Verdadeiro! Na vida, há inúmeras portas, mas somente uma pode nos dar acesso à genuína felicidade! É aquela que se evidencie diante da percepção de um olhar em congruente união com os sussurros do coração... Mas, o Amor Verdadeiro é como uma Porta de Vai-e-vem: a reciprocidade é indispensável, para que haja a possibilidade de uma aspirada e inconteste confluência de almas... Mas, muitas vezes, a ilusão e o falso entendimento, traiçoeiramente vilipendiam um coração sincero... E, cego, deixa-se atrair por uma porta que, por mais que esplendorosa, não corresponde ao animicamente almejado... Então, redunda em uma completa inadequação e na mais cruel das desventuras. Torço para que você encontre o Amor Verdadeiro, Menina!

...Disse, ele, e logo após, calou, firmemente decidido a se trancafiar em uma sela de monge, num monastério à beira de um inaudito precipício avatávico...      

Jorge Pi 

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Dolores Duran(do)!

Orgulha-me, de um orgulho humilde e retumbantemente modesto, numa modéstia densa e efervescentemente simples, saber de sua matriz ceboleira. Dona de uma voz amplamente melodiosa, de um aveludado ligeiramente agreste, como os agridoces campos da minha Velha Loba. Compositora sensível e criativa: inteligentemente envolvente!

Jorge Pi









Composições de Dolores Duran:


"A Morte Deste Amor"
"A Noite do Meu Bem"
"Arrependimento" (com Fernando César)
"Canção da Tristeza" (com Édson Borges)
"Castigo"
"Céu Particular" (com Billy Blanco)
"Deus Me Perdoe" (com Édson Borges)
"Estrada do Sol" (com Tom Jobim)
"Falsos Amigos"
"Fim de Caso"
"Idéias Erradas" (com Ribamar)
"Leva-me Contigo"
"Minha Toada" (com Édson França)
"Não me Culpe"
"Noite de Paz (Dá-me Senhor)"
"O Negócio É Amar" (com Carlos Lyra)
"O Que é Que Eu Faço" (com Ribamar)
"Olhe o Tempo Passando" (com Édson Borges)
"Patinho Feio" (com Oscar Castro-Neves)
"Pela Rua" (com Ribamar)
"Por Causa de Você" (com Tom Jobim)
"Prece de Vitalina" (com Chico Anysio)
"Quem Foi?" (com Ribamar)
"Quem Sou Eu?" (com Ribamar)
"Se é Por Falta de Adeus" (com Tom Jobim)
"Se Eu Tiver" (com Ribamar)
"Se Quiseres Chorar" (com Carlos Lyra)
"Só Ficou a Saudade" (com Fernando César)
"Solidão"
"Sou Toda Sua" (com Fernando César)
"Ternura Antiga" (com Ribamar)
"Tome Conta de Você" (com Édson Borges)
"Volte num Dia de Chuva" (com Fernando César)
"Vou Chorar" (com Lúcio Alves)



Esta interpretação de Dolores Duran lhe redeu comentários elogiosos de Ella Fitzgerald:




Outra pérola interpretativa doloresduraneana!

Do CD "Dolores entre amigos" Biscoito fino (2009) Cry me a river Composição: Arthur Hamilton Now you say you're lonely You cry the whole night through Well, ...
YOUTUBE.COM
CurtirMostrar mais reações
Comentar


quinta-feira, 5 de maio de 2016

Passeios...

A Existência simplesmente nos toma na mão e passeia conosco, por entre trechos de tempos e frechas de espaços... E, num rodopiar de uma dança cósmica, vivenciamos, num passeio, toda a experiência que nos cabe e vem. Vamos, pelas calçadas da vida, passeando e olhando os passeares alheios, paralelos aos nossos. E, de passeio em passeio, passamos... E, na impermanência que experienciamos, elaboramos erros e laboramos acertos, pondo-os em bagagens intocáveis que se nos ocultam em memórias infindas! Infindo, nosso brilho se estanca; eterna, nossa alma se imola. Imolados, divinificamo-nos!

- Jorge Pi

Sonetinho

Sonetinho

Que é da poesia estendida num cordão?!
Onde está, poetas, o fascínio do luar?!
Quede a rua antiga que não chama pra cantar?!
Que vazio é este que me invade o coração?!
Longe, muito longe... Ouço um eco ressoar:
Nada de tristeza! Preste muita atenção!
Mundo tão moderno?! Não está mudado, não!
Um box tá salvando a cultura popular!
Produtos-poesia estão lá pra se comprar!
Mercadoria tanta: um pacote de emoção
Repleto de vida como linda canção!
Cordel que nos encanta e que nos faz sonhar
Com o mais sublime amor, surtido de paixão,
Não desapareça: dê-nos satisfação!

Jorge Pi
Antonio Samarone
15 h
Coisas do Aracaju...

terça-feira, 26 de abril de 2016

Beijo-Barro!!!




Barro vejo: beijo-barro!

Vejo o beijo...

Vejo o barro...

Num desejo, beijo o barro!

Pois almejo metabarro!


- Jorge Pi

segunda-feira, 4 de abril de 2016

A Felicidade

A felicidade está em nós mesmos...
Os outros, com suas intrigas e picuinhas, existem mesmo para nos impelir ao exercício consciente de mergulharmos sempre em nosso interior, num sagrado banho que nos habilita a nos reconectarmos à fonte pura e originária da mais genuína das felicidades
(para não dizer a Verdadeira)!!!
- Jorge Pi

O Sorrir

Só se ri, rindo-se, mesmo... no fundo d'alma!

Quem ri "é" a nossa alma... A expressão facial é consequência, apenas...

Assim, rir é desnudar a alma...

E, diferentemente do corpo, desnudarmos a alma, escandalosamente, não nos faz enrubecer a face, mortos de vergonha, como quando o desnudado é o corpo.


Sorrir, então, é 'animar' a vida!

- Jorge Pi

Pensando...

Tô pensaaano...
Insano pensar que me faz pensar ser o pensamento mesmo...
Mas, não 'sou' pensando; sou, pensando...

Estou pensando!

- Jorge Pi

domingo, 3 de abril de 2016

Desventuras Medievas...

Medieva tecitura de ser densa quadratura...
Quadratura medieva de ser densa tecitura...
Densidade medieva de quadrada tecitura...
Tecer Idade Medieva inserida em dez venturas!



Jorge Pi