.

.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Onde Estás?!

Vai idade, vem idade... Venham, idades; ide idades! Datas idas, datas vindas! Datas lindas, d'atas lidas, relembradas, festejadas, preservadas em caixinhas de saudades salutares... Datas muitas, resolvidas: mal vividas, bem vividas! À medida que lembradas: revividas, repassadas. À medida que esperadas: ansiadas, aguardadas. E, em meio, somos pontos desejando o sermos linha, cultivando o sermos plano, aspirando o sermos sólido: tetraedro, tetraedro, onde estás, que te buscamos?!

- Jorge Pi

Mergulhar

Onde, o tempo de amar? Quando, o espaço do amor? Como?! Só amando o amar! Há um mar de amor! Não temer... Mergulhar!!!...

- Jorge Pi

Felicidade

Felicidade é um tantinho de Paraíso! E o Paraíso é integralmente expresso na mais minúscula das partes que o constituem tanto quanto em sua Totalidade... Que sua abrangência é qualitativa, numa incomensurabilidade condizente ao tempero de Eternidade que lhe dá o auspicioso sabor de um Inefável Contentamento!


- Jorge Pi

quarta-feira, 28 de junho de 2017

Foto

 Foto é pretensa captura. Pois, como capturar a imponderabilidade do ser no não-ser, através do qual maquiamos em mal-disfarçada caricatura que a câmara, imitando o olho, vê, enquadra e proclama tudo aquilo que, aparentemente, constitui a silenciosa superfície das coisas?! Pois, se as coisas são vistas pela câmara ou pelo olho, deve-se ao acréscimo hibridizante da luz, que, mostrando, está, na verdade, escondendo. É quando nos vem em socorro a arte e uma certa conexão pode ser estabelecida entre objeto e sujeito, naquilo que se costuma chamar de conhecimento.

- Jorge Pi

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Perdoare

"Perdoare": DOAR DE SI! É preciso ser forte para doar de si. O apego ao que achamos que somos nos atravanca a possibilidade de sermos livres, inclusive de nós mesmos! Ser Senhor de Si, pressupõem o saber se despojar do orgulho e da vaidade... Orgulho por se julgar insubstituível e vaidade por não arredar o pé da ilusão de que o mundo existe para nos servir... Somos Servos, apenas. Sirvamos o Amor Verdadeiro, no banquete da Vida! Saiamos de nós e nos sintamos tais quais somos: pontinhos de luz, na noite do mundo! Sejamos luz, alimentados pela Luz Maior de Deus Todo Poderoso, a nos insuflar Força Vital no mais profundo do nosso miserabilíssimo coração!

- Jorge Pi

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Escândalo...

Toque num toque dum toque que toca. Toca bem fundo, infindo, surfando a felicidade de amar de verdade! Amar, combinando, cuidando, curtindo... Amar, namorando, flertando os sentidos. Sentidos dispostos a amar, sem demora! Demorando, apenas, no amar a demora de amar de mansinho a demora no amar!

- Jorge Pi

Vazio...

"É sempre bom", mesmo, "lembrar": tomar ar puro é sempre bom, que apuros são inevitáveis... Mas, viver prescinde leve estar, no levitar do cheio-vazio do transcorrer do transmutar...

- Jorge Pi



segunda-feira, 5 de junho de 2017

Ser o Mano

Ser Humano... Ser o mano, em fraterna idade. Mano e humano, imune à imundície do desumano modo ter de existir. Desistir de julgar: escutar: compreender: ajudar: Amar! Amarrar os cadarços do ignorar: levantar: decidir caminhar: percorrer o Caminho: cultivar a Verdade: optar pela Vida! Vir da Vida: Viver! Vir Verdade: Crescer! Ser Caminho: Dizer: "Vinde a Mim"! Enternecer, em terno Ser. Interno, Ser: Eterno, SER!

- Jorge Pi

Uno e Verso

Universo: Uno e Verso. Versa a Unidade. Humanidade respinga na Terra, mas vem das Estrelas! Nós somos sóis diminutos e incomensuráveis. Brilhemos, soisinhos! Sozinhos?! Jamais! 😉

- Jorge Pi

Árvore-dádiva!

Árvore da Vida!
Dá-nos da Vida, Árvore-dádiva!
Arvore-se em nos dar dádiva-viva, no Ar!
Sopro "Agá"...
Gutural Sopro "H",
Agrada-nos saber que o Retorno à Unidade Primordial
Está num abraço de amor entre o belo Noivo-dia
E a linda Noiva-noite!

- Jorge Pi

Enquanto...

Enquanto não permitirmos ao nosso Eu Verdadeiro tomar as rédeas de todas as nossas ações, nosso "eu pigmeu" continuará "fazendo a festa"... E este último não tem a menor noção dos compromissos firmados entre nosso Eu Maior e a Existência. Cabe-nos, num ponto médio entre o nosso Eu Interior e o nosso Eu Exterior (que é o que pensamos ser), decidir ouvir a Silente Voz Que Vem de Dentro e nos tornarmos verdadeiros Instrumentos da Paz do Mestre, permitindo-nos ser a mais linda expressão de nossa própria missão na vida.

- Jorge Pi

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Ar-te

Arte pressupõe contra-p'arte:
Artista que gera e quem quer que ad'mire!
Porém, não é arte, pra quem só rep'arte.
À p'arte, seja arte, apesar dum desc'arte...
Mas... arte que é arte resiste e persiste,
Apesar dos pes'arts!

- Jorge Pi

Livro-Crivo

Folhas-folhas folheadas,
folheando-nos a inusitada noção
que nos escapa ao folhear
as folhas-páginas paginadas,
do livro-crivo da Vida!

- Jorge Pi

Pedra-Ser

Pedra sobre pedra.
Pedra sob pedra.
Pedra, sobre pedra: pedra, sobre, pedra!
Pedrada na pedra e não sobrará pedra, sobre pedra!
Sobre pedra, dá muito o que dizer...
Pedra, pedra!!!...
Em pedra, algo empedra....
Água em pedra: alga em pedra!
Que empedrar é pedra-ser!

- Jorge Pi

terça-feira, 30 de maio de 2017

Ele...

Uma vez sonhei que adentrei num recinto, como que uma velha casa vazia... Em um dos cômodos, deparei-me com alguém sentado em uma cadeira... Uma sala vazia, contendo apenas uma mesa, uma cadeira e um homem sentado nela, debruçado sobre a mesa e uma "cúpula energética" envolvendo a sua cabeça... Ele estava sentado de costas, do meu ponto de vista. De repente... Levanta-se, vira-se para mim, sorri e leva o seu dedo indicador direito aos seus lábios fechados... Então, compreendi! Ele "falou" comigo, através do "silêncio"... Guardo comigo este tesouro. Hei de sempre tê-lo em minha mente e meu coração. Ah! "Ele" era Albert Einstein...

- Jorge Pi


Baixar Série: Genius: A Vida de Einstein Lançamento: 2017 Gênero: Biografia, Drama, História Áudio: Português Legenda: S/L Qualidade: WEB-DL 720p Áudio: 10 | Vídeo: 10 Formato: MP4 Tamanho: 1 GB./Ep.…
SERIESFILMESTORRENT.COM

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Grátis

Grátis. Gratuita, deve ser a Gratidão! Gratuidade é saudade do porvir que foi, um dia... É Oroboro. É Ouro Puro... Gratidão por tudo e nada! Gratidão, por gratidão. Gratidão agradecida é refletir a Gratidão. Gratidão: Reflexão: Conexão: Compreensão! Compreender é ser mui grato, que não ser grato é perdição... Perder-se: ação de se perder, sem ser ação, mas, negação. Negar que é ação, a não-ação: reverberar ingratidão.

- Jorge Pi

terça-feira, 23 de maio de 2017

Quem Ama, Liberta!

No fundo, o que todos nós necessitamos é de amizade verdadeira, leal...
Nossa ânsia por construir relacionamentos amorosos é completamente anti-natural e estressantemente inoportuna.
Instauremos a oportunidade de estar em paz conosco mesmos!
A felicidade não deve ser buscada a dois, mas pessoas felizes consigo mesmas são ótimas candidatas a partilharem​ a felicidade pessoal...
Tenhamos consciência de que esperar de quem quer que seja uma reciprocidade é, no mínimo, uma enorme insensatez.
Quando amarmos, amemos e pronto! Sem exigir um retorno despropositado... Senão, não será amor, mas possessividade doentia.
Pois, quem ama, liberta! Que é na liberdade que o amor acontece. E se não acontecer, simplesmente, é porque não é amor, mas, como zilhões de tantos por aí, tão-somente um mísero contrato de mútuas obrigações.
Mas, o amor verdadeiro não obriga e nunca se obriga a nada! É apenas um alimento na mesa farta do amar... E, quanto mais nos alimentamos de amor, mais e mais o amor se nos entrega como nutriente à nossa vida, como razão de ser do nosso existir, completamente de graça e num padrão genuinamente verdadeiro!

- Jorge Pi

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Capelinha

Créditos: Vicente José

Capelinha, capelinha, quer ser linda igrejinha!
Pobrezinha, pobrezinha, do reboco descascado,
Quanta teima, quanta teima
Em dar sombra, em sol que queima.
Sol que queima, sol que queima
E ilumina a capelinha,
Nunca, nunca nos permita ignorar tal belezinha!

- Jorge Pi



quarta-feira, 17 de maio de 2017

Fruto

O homem é fruto do trabalho do Homem. O Homem é fruto do trabalho da vida. A vida é fruto do trabalho da Vida. A vida do homem é repleta de Vida. O trabalho e a vida são completos, no homem. No Homem, por certo, há trabalho e há vida... E o fruto é completo e repleto de Vida! Assim, a Vida trabalha, no Homem; o homem trabalha, na vida; trabalho, trabalha o trabalho; o fruto, mata a fome do homem.

- Jorge Pi

A vida

A vida é um livro sagrado. A cada página virada, se bem lida e sabiamente assimilada, somos agraciados com esclarecimento e perspicácia. A cada capítulo concluído, uma nova pessoa nos tornamos. A cada etapa revelada do enredo, um novo tempo se nos dá a conhecer. Depende, apenas, de nossa plena atenção e de uma sutil dose de boa vontade para que o propósito de tudo que vivenciamos nos seja, então, anunciado: "sois mais do que sabes... Sê mais o que és!"...

- Jorge Pi

A Boa Música

Música... Música... (A Boa Música!) Que seria de nós, sem você?! Que seriam de nossos silêncios, sem os braços da música?! Música... Musa... Muda nosso lado sombrio de posição e o põe frente a frente com a Luz Maior que há em nosso ser... Como é bom ouvir vozes harmoniosas! Elas se instauram, melodiosas, em nossos jeitos de nos conectar com o Divino que se espraia em nosso Grande Além de Dentro!

- Jorge Pi

Literatura

Liter, atura o desejo por literatura!
Liter, Liter!
Atura e deseja, tu, também!
Literal mente, não dura: atura.
À altura de tantos quais tenham cultura,
Façamos leitura, leitura, leitura...
Lei dura prescreve; leitura nos cura!

- Jorge Pi

Balaio

Desmaio em maio...
Num raio, caio.
E, tonto, saio, vendo em soslaio:
Miado-gato em um balaio! 🙂

- Jorge Pi

Canguru

Canguru, cão-guru...
Tão guru, na bolsinha...
Mamãe vai e me leva!
Leve: caibo em sua bolsa...
Leve-me, cuide-me, proteja-me!
Mundo-bolsa-porão,
Por-me-á, permeando-me,
Em contato com o chão!
Chão-guru, bolsa-nova!
Bossa: nova canção!

- Jorge Pi

Apenas...

Vale, apenas, a pena não valer; pois, se valer a pena, apenas a pena valerá e, há penas demais, no valer a pena; pois, penar é pena, por demais, e, penosa, a vida que vale a pena... Pena de quem tem pena! Pena pra quem tem pena! Ave (vês), tida, há penas! Vestir de penas filhote-ave, sim, vale a pena! Mas, verter em penas pele de gente, não vale... Apenas mente, quem diz que vale! Nu, vale a pena?! Não vale... Apenas vale, se vale, apenas!

- Jorge Pi

quinta-feira, 4 de maio de 2017

A Palavra...

A Palavra É Suave! De uma suavidade doce e edificante. É Fogo que não arde, mas queima o fogo do ego e da vaidade. Feliz aquele que serve à Palavra! O Espírito Santo de Deus Habita em seu coração. Um Sopro Suave o Refrigera. Uma Aura Angélica o Protege, sempre. E, aqueles que o escutam com "ouvidos de ouvir", verão claramente a Ação do Poder de Deus, com seus "olhos de ver"! E um leve vislumbre do Paraíso os conduzirá à Graça. E a Graça os acompanhará, por todos os dias de suas vidas!

- Jorge Pi

Ah, Morte!

A morte vem e nos rouba...
Não! Ela não vem e nos rouba... Rapta-nos a ilusória compreensão de que possuímos algo. E não possuímos nada! Ao menos, nada daquilo que a morte vem e nos rouba. Nada daquilo que a morte nos subtrai, pertence a nós, em verdade. Pois, se fôssemos seus donos de verdade, a morte não viria e não nos tomaria, inapelavelmente.
A morte, no entanto, não "vem"... Nunca vem! Ela sempre está circunscrita nos meandros, à espreita... Então, chega o tempo do bote e nos embota a tola pretensão de possuirmos alguma coisa, alguém, alguma circunstância que pode estar manifesta em uma fração de tempo ou ter o simulacro de Eternidade...
A morte é dona de tudo! Ela é o grande nada que se alimenta do seu reflexo existencial... Sendo, ele próprio, a morte mesma, disfarçada naquilo que não nos causa a menor suspeita: tudo!
Nada é tudo, em seu desdobramento último, tanto que não há nada que não se encontre em tudo!
Aliás, a morte é a própria vida, em seu caminhar reverso, em sua tecitura lúgubre, em seu retumbar estanque!
De resto, o amor, que é o silêncio que ressoa e brinca, enquanto a vida rodopia, simulando a morte, celebrando a vida, sempre num roteiro incerto, que é sua forma certa de nos fascinar a alma.

- Jorge Pi

Tributo a Belchior

Belchior fala... E, em sua fala, vai debulhando um Belchior tão intimamente distante de uma enlatada caricatura de um Belchior apenas "rapaz latino-americano sem dinheiro no banco e vindo do interior...". Pois, justamente, sua riqueza maior está contabilizada em sua formação interiorana que o universaliza e o entrega de mão beijada a um mundo individualista que elege, equivocadamente, o "ter" em vez do "ser"... Resta-nos a certeza de ele ter sido um bom combatente no maior de todos os combates: a Vida!

- Jorge Pi


Durante a trabalhosa tentativa de emplacar seu primeiro LP, umas das várias aparições de Belchior foi no programa intimista "MPB Especial", da TV Cultura, em...
YOUTUBE.COM




E ele era "apenas um rapaz latino-americano sem dinheiro no bolso"... Mas, sempre o tomei como um Príncipe da mais nobre estirpe da MPB. Um astro de primeiríssima​ grandeza. Um arauto da fina flor da sensibilidade musical e da sagacidade intelecto-cultural de um tão negado Brasil Verdadeiro!

-Jorge Pi



1. APENAS UM RAPAZ LATINO-AMERICANO 2. COMO NOSSOS PAIS 3. DIVINA COMÉDIA HUMANA 4. BEIJO MOLHADO 5. FOTOGRAFIA 3X4 6. GALOS . 1. APENAS UM RAPAZ LATINO-AMER...
YOUTUBE.COM

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Luz e Mistério

Luz é mistério revelado e mistério é luz velada...
Riso sério é um amplexo de amor entre ambos.


- Jorge Pi


terça-feira, 18 de abril de 2017

Antes...

Antes, termos a coragem de olhar, face a face, nosso vazio interior do que termos a ingênua ilusão de acharmos estar repletos de nada...

- Jorge Pi

Para quê?!

Para quê respiro? Para quê vejo? Para quê ouço? Para quê penso? Para quê sinto? Para quê aprendo? Para quê amo? Para quê testemunho? Para quê questiono? Para quê escolho? Para quê determino? Para quê almejo? Para quê converso? Para quê calo? Para quê ardo? Para quê glorifico? Para quê rebento? Para quê modifico? Para quê me alimento? Para quê me abstenho? Para quê faço? Para quê desfaço? Para quê dobro? Para quê amasso? Para quê beijo? Para quê abraço? Para quê nasço? Para quê vivo? Para quê morro?... Responder, não preciso! Responder, para quê?! Perguntar é o "quê" da questão! Silenciar pra compreender...

- Jorge Pi

Até pensamos...

Um mil e novecentos e sessenta e oito... Aí, no ano em que nasci, cinco cravos torpes e medonhos, presos à carne de um sonho de Brasilidade a perseguir, tangia-nos para longe de um bosque que, separado de nós por um muro, privava-nos daquela doce e singela donzela: a Democracia. Restando-nos o insaciante saborear da maçã de um desejo de, um dia, quem sabe, viéssemos a lhe beijar os lábios e até pensar que fosse nossa...
- Jorge Pi

Até Pensei Chico Buarque Junto à minha rua havia um bosque Que um muro alto proibia Lá todo balão caia, toda maçã nascia E o dono do bosque nem via Do…
YOUTUBE.COM

Maturidade

Maturidade... A isto, todos almejamos...
Mas, o que é maturidade?
Maturidade não tem nada a ver com idade. Tem, sim, com s-e-r-e-n-i-d-a-d-e!
Serenar é maturar!
Matura-se quando, em dado tempo de um percurso, de repente, vislumbra-se, numa visão de conjunto, o todo de um esquema que, até então, estava fragmentado.
Então, serena-se!
E a completude pousa e se instaura e se satisfaz e nos plenifica, integralmente.
Mas, apesar de que após toda tempestade vem a bonança, a vida segue, no entanto... Meandros soltos... Consciência amarrada... Aprendizado anotado, partir em busca de mais aprender... E nos desprendemos da plenitude... E nos pomos, outra vez, a andar...
Passos e des-passos se apossam de nossa lida...
Lida de des-tinos: ser, em nada... Nada ser...
E, do nada, em toda a via: maturar, por serenar, pra florescer!

- Jorge Pi

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Um Perigo

A vida é um perigo: repleta de facas, no ar. Um perigo cortante e recorrente, desses que se nos atazana a ofegante vontade de viver em meio a uma perene chuva de cortantes facas que nos fragmentam em muitos pedaços de nós... Mas, nós, despedaçados, damos-nos as mãos e persistimos com o ímpeto de sermos um só; tão dissimuladamente que, por vezes, temos a impressão de constituirmos uma inteireza utopicamente desejada; malgrado, aqui e ali, a lucidez se nos apresente, separando as mãos, desfazendo a unidade...

- Jorge Pi

terça-feira, 28 de março de 2017

Entre Loucura e Santidade

Nos limites entre a sanidade e aquilo que nos apressamos em denominar de loucura, há uma instância na qual se pode vivenciar a 'divina desventura' de se ser d e m a s i a a a a d o, tão-somente em não nos conformarmos à medida e aos padrões pré-estabelecidos do miserabilíssimo e comum senso de não se dar vez ao belo e à harmonia naquilo que seja humanamente realizável... Como se o Humano em nós estivesse meramente circunscrito a uma trivialidade desprovida de alma e profundidade... Há mais força e poder num leve abrir e fechar de pálpebras do que possa presumir a pseuda práxis daqueles que se esquivam à aventura de ser, na plenitude do existir, do pensar com método e do perceber, em atualidade, a realidade do aqui e agora, em sintonia com a Humanidade, em histórica e persistente construção, destruição e reconstrução contínuas...

- Jorge Pi

Convenção

Entre a poética, o poeta e a 'aquele qualquer aquilo' objeto do poetar, há uma insuspeita, inusitada e, no entanto, intrínseca e evidentemente intuída teia de uma misteriosa matéria que se convenciona denominar poesia...

- Jorge Pi

SerMão

Bem-aventurado, o sono; ele mina o cansaço da vida!
Bem-aventurada, a cama; ela tira o cansaço da gente!
Bem-aventurada, a sede; ela mostra a importância da água!
Bem-aventurada, a fome; ela faz recompormos o corpo!
Bem-aventurado, o corpo; ele é o Templo Sagrado do Espírito!
Bem-aventurado, o Espírito; ele é a mão, da qual o corpo é a luva!
Bem-aventurada, a dor; é sinal do caminho do amor!
Bem-aventurado, o amor; é a Presença Silente de Deus!
Bem-aventurados, oh, Deus, o Caminho, a Verdade, a Vida!
Montanha Sagrada Residente em nós, Revela-nos Filho do Homem, que Somos!
Yod He Vau He, acolham, com afeto, o Shim, que é Jesus!

Amem-No!


- Jorge Pi

domingo, 26 de março de 2017

Abraço

Abraço com singeleza e ternura toda a minha vida! Minha vida que é tão simples e tão modesta. Grato sou por respirar o ar da Terra; por beber de sua água; por comer de sua vida! Oh! Quanta honra, a minha, agora: ser um traço de união entre o que fui e o que serei! Pois sei que sou pequeno traço: reparto em mim ser e não-ser... Não ser mais nunca, no passado; não ser ainda, no futuro! Sendo o que sou; não-sendo não-ser. Presente contido em contínuo Presente! Pré-sente o menino: um dia vai Ser... Menino se torna um homem maduro; má, dura a dureza de não realizar... São expectativas frustradas, malditas; mas, há, mesmo assim, razão pra viver! Maduro menino em corpo de homem, sacode a poeira e retoma o estradar!

Jorge Pi

quinta-feira, 23 de março de 2017

O Amor Existe

O Amor existe! Sinto-o em cada reentrância das mais variadas formas de me relacionar com a Vida! Ele é doce e amargo, denso e suave. Sua fragrância exala um perfume inigualável: o sempre estar disposto ao querer bem àquilo a que se ama. Nunca é tarde para se amar; nunca é cedo, para o amor! Mas, o Amor de Verdade nos exige compromisso e lealdade: fidelidade é o seu tempero! Ele é Luz que aclara o caminho dos pertinazes viajantes em busca de si mesmos, através da dedicação que dispensam aos seus respectivos amantes. Mas é preciso ter muito cuidado com o Amor! É Fogo que queima, caso não seja bem cuidado... E a dor causada pela negligência no trato com o Amor é infinitamente maior do que qualquer dor que possa suportar a pobre carne. O Espírito se torna uma imensa chaga que não pode ser curada pelo mais eficaz dos bálsamos, a não ser por ele próprio. O Amor é a cura do amor, quando o amor aspirar pelo Amor! Então, o próprio Deus se rende a tal Ventura; pois, Ele mesmo É O próprio Verdadeiro Amor!

Jorge Pi

A Vontade de Deus

Tudo acontece pela Vontade de Deus... Se não acontece, é a Vontade de Deus... Mas, o que é a Vontade de Deus?! Minha vontade, por exemplo, quando acontece... Pois, se acontece, é a Vontade de Deus. Mas, quando não acontece, é dada a Vontade de Deus. A Vontade de Deus abrange, assim, tudo que acontece e não acontece. Até aí, tudo bem! O problema é compreender e aprender com o que está por detrás da Vontade de Deus...

Jorge Pi

Desabafo

A sublime intenção do poeta é construída de dor, desavenças, melancolia e um brevíssimo senso de humor, enquanto tempero indispensavelmente adicional, senão não surgiria a inusitada matiz de sublimidade e, em vez disto, ressoaria falsa ou, minimamente, fantasiosa. Coisa que ocorre com os pretensos poetas! Poesia não é pensada, nem dita, pelo poeta de verdade. Ela própria se pensa e se diz, por intermédio da magnânima miserabilidade da condição de se ser poeta. E o poeta advinha o óbvio... Mas, apesar de em sua adivinhação não existir nada de novo, o velho se instaura de forma nova, cheio de matizes nunca antes percebidas como tal!

Jorge Pi

Dever

Devo não dever como deveria não estar devendo, devido à dívida dividida em parcelas, devidamente endividadas com o dever do desendividamento almejado... E a Vida, sem dúvida, deverá me cobrar, de vida em vida, a vívida compensação de uma vital devolução, ceitil por ceitil, por haver, deveras, quitada uma negligência de não ter usado, devidamente, os meus ouvidos de ouvir e os meus olhos de ver...


Jorge Pi

quinta-feira, 2 de março de 2017

Elastecendo o Espírito...

Sacerdócios diversos há à espera de nós! Aliás, somos chamados, a cada inalação, a oficiar a Presença Divina no Altar Cardíaco-Shekinático do nosso coração. Nosso Verdadeiro Templo, o corpo, malgrado corruptível, espera de nós a sua Transfiguração Gloriosa! Então, sob a batuta do Espírito Santo, sete virtudes hão de substituir sete pecados... E, na Comunhão dos Santos, seremos pequeninas crianças adentrando o Reino em indisfarçável e verdadeira Alegria! Mas, enquanto isto não sucede, sigamos exemplos, aprendamos santidade, elastecendo o espírito!

Jorge Pi

Lucidez...

Lucidez é o que busco... Busco a lucidez de ser, olhar e ver... Ver o que está posto, diante de mim e não um imaginado mundo recheado de passado e ansioso por um ilusório futuro que, quando chega, receio ser recheio com gostinho de passado, escapando do presente. Quero a lucidez do ver a vida quão presente desvencilhado dos embrulhos do passado e do fururo, pois são sempre isto: embrulhos! E o que fica é o presente, no final das contas, não é mesmo!

Jorge Pi

Fracasso...

Ter fracassado é bom. Ser fracassado, não! Fracasso é parâmetro... Não, Perímetro! Perimetrar um parâmetro é desvirtuar-lhe o propósito. A propósito: ao caminhar, se uma das pernas não se submetesse à ação limítrofe de uma passada, apenas, num se render ao parâmetro de ser um impulso locomotor ao passo dado restrito à pequena extensão do movimento de andar, cedendo a vez à outra perna, numa consubstanciada confissão de relativo fracasso, tendo como resposta uma ação simétrica de igual proporção, da parte da outra perna, com certeza o andar sucumbiria num caótico movimento de pernas que se pretendessem, insanamente, extensivas ao infinito, sem propósito algum senão um doentio e egóico desejo de serem meramente "bem sucedidas". Aliás, aquilo a que se convencionou chamar de sucesso é, na verdade, o somatório de "n" fracassos que se dão os braços e se acertam, atônitos, tendo em vista um propósito previamente definido, cujo atingimento pleno se propõe conquistar. Pois, no mais das vezes, a conquista está nos meandros da busca, nela própria; sendo, o alvo, meramente, um distinto parâmetro.

Jorge Pi

Ma(r)ço

Mar e aço
Eu embaraço
E, em meu braço,
Março, faço...

Faço um maço
E enfumaço
Uma só face, fácil, fácil!

É massa:
A farsa
Faz-se revelar se a falsa face for ceifada...

Jorge Pi


Nascer...

Nascer é morrer...

Jorge Pi

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Dar de Si...

No princípio de tudo há aspiração... E o andar faz estrada e eis: resolução. E, no firme propósito, vem a concepção. Paralelo há também linda inspiração. E se espreita, de jeito, certa percepção. De repente, eis que surge uma prospecção. Relutante e em vacilos, cresce uma reflexão. E, então, tudo é claro, sob a luz da razão. Sucumbimos, tristonhos, ante a constatação. E, tão causticamente, vem a decepção... Ver de perto o deserto; lacrimejar solidão. Mas, na vida da gente, há a continuação... Soerguer, firme, a face, apesar da ilusão. Continuar é preciso; permitir procissão. Professar resiliência; cultivar a oração. Transmutar, lindamente; arejar coração! Respirar novos risos; semear gratidão. Ter ciente e preciso que é preciso o perdão. Perdoar quem nos fere pois não é a nós, não...

- Jorge Pi

Lindo, Clarice!

Lindo! Clarisse é como um 'espectro' de diáfanas ideias amalgamadas em densos sentimentos que se entregam às claras obnubilidades da genialidade literária... Mas, há um lenitivo para a nostalgia e, talvez até para a depressão: a oração! Rezar o "Pai Nosso", por exemplo, atenta e compenetradamente, reestabiliza-nos a serenidade e nos possibilita usufruir plenamente as dádivas avatávicas de cada Momento Presente! ✨😉✨

- Jorge Pi